SAÚDE PÚBLICA E OS BENEFÍCIOS TERAPÊUTICOS DO CRAJIRU NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Crajiru
fitoterapia
plantas medicinais
terapias complementares

How to Cite

Castro, L. L. de S. (2023). SAÚDE PÚBLICA E OS BENEFÍCIOS TERAPÊUTICOS DO CRAJIRU NA ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE. REVISTA FOCO, 16(11), e3747. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-211

Abstract

A espécie Arrabidaea chica, conhecida como crajiru, faz parte da relação nacional de plantas medicinais de interesse do SUS. Estudos desenvolvidos para determinar os benefícios do crajiru comprovaram que o extrato bruto de Arrabidaea chica possui ação cicatrizante, antiulcerogênica, antimicrobiana e antioxidante. O objetivo do estudo consistiu em Investigar sobre as plantas medicinais, salientando que o crajiru vem se tornando cada vez mais uma boa opção terapêutica para o sistema de saúde pública. A revisão contemplou a pesquisa em base de dados como Pubmed, Scielo, Lilacs, BVS e Google Acadêmico, além da utilização de livros como complementação da busca no acervo da biblioteca setorial da FAMETRO, nos idiomas português e inglês, utilizando os descritores crajiru, benefícios terapêuticos, plantas medicinais e terapias complementares. Após o levantamento bibliográfico, e descarte dos artigos que não correspondiam ao objetivo da pesquisa constatou-se que são atribuídos ao crajiru vários benefícios terapêuticos relacionados a sua ação medicinal. Levando em consideração as atividades comprovadas e poucos relatos acerca do uso do crajiru como produto terapêutico, conclui-se que o uso desta espécie corrobora para sua utilização com fins fitoterápicos, salientando ainda que o crajiru vem se tornando cada vez mais uma boa opção terapêutica para o sistema de saúde pública.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-211
PDF (Português (Brasil))

References

ALVES, N. R. F. et al. Contribuições das plantas medicinais e uso de chás no ensino de química orgânica: revisão narrativa de literatura. Brazilian Journal of Development, v. 8, n. 4, p. 26369-26387, 2022.

AMARAL, R.R.; SANTOS, A.A.D.; SARAVIA, A.; Botas, G.; CRUZ, R.A.S.; FERNANDES, C.P.; ROCHA, L E BOYLAN, F. 2016 - Biological activities of Arrabidaea chica (Bonpl.) B. Verl. Leaves. Latin American Journal of Pharmacy. V. 31(3), p. 451- 455.

ANVISA: Boas práticas modulo 5 E-Test. 6 ed. 2015.

BARBOSA, W. L. R.; PINTO, L.N.; QUIGNARD, E.; VIEIRA, J.M.S.; SILVA JR., J.O.C. E ALBUQUERQUE, S. - Arrabidaea chica (HBK) Verlot: Phytochemical approach, antifungal and trypanocidal activities. Revista Brasileira de Farmacognosia, 2018 v. 18(4), p. 544-548.

BARRETO, M. S. O. et al. Extrato das folhas de Arrabidaea chica (Fridericia chica) mostrou potencial ação no combate à cardiotoxicidade induzida pela doxorrubicina. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v. 73, p. 513-516, 2021.

BARROS, A. S. M. Investigação científica da atividade medicinal da espécie Arrabidaea chica (Pariri). Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Ciências Naturais) - Universidade Federal do Maranhão. Pinheiro, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica, Brasília: Ministério da Saúde, 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica, Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

CARVALHO R. S. Fototoxicidade de nanoemulsão de extrato de crajiru (Arrabidaea chica) em linhagem de células de adenocarcinoma Mamário murino (4T1). Tese (Doutorado em Biologia Animal) – Instituto de Ciências Biológicas, Universidade de Brasília, Brasília. 2016.

CHAGAS, Maria do Socorro dos Santos. Potencial Terapêutico da espécie vegetal Arrabidaea chica Verlot. 2016. 59 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Especialização) - Instituto de Tecnologia em Fármacos/Farmanguinhos, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2016.

COLET, Cristiane F. et al. Análises das embalagens de plantas medicinais comercializadas em farmácias e drogarias do município de Ijuí/RS. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Botucatu, v. 17, n. 2, p. 331-339, Jun. 2015.

DIAS, Eliana C.M. et al. Uso de fitoterápicos e potenciais riscos de interações medicamentosas: reflexões para prática segura. Revista Baiana de Saúde Pública, Salvador, v. 41, n.2, p. a2306, 2018. Disponível em: http://rbsp.sesab.ba.gov.br/index.php/rbsp/article/view/2306/2237 Acesso em 28 set. 2023.

FERNANDES, Ciciane O.M.; FÉLIX, Samuel R; NOBRE, Márcia O. Toxicidade dos fitoterápicos de interesse do SUS: uma revisão. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde. Londrina, v. 37, n. 1, Jan.-Jun. 2016

FERREIRA, F. A. G. et al. Comprovação do potencial medicinal de Arrabidaea chica (Bignoniaceae). Sci Prim, v. 1, p. 1-6, 2017.

GOMES, M. F. M. et al. Fitoterapia no tratamento e como potencial terapêutico da psoríase em placas. 2019. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra.

KALIL FILHO, A.N.; KALIL, G.P.C.; LUZ, A.I. R. Conservação Germoplasma de plantas aromáticas e medicinais da Amazônia brasileira para uso humano. Ministério da Agricultura e Abastecimento. Comunicado Técnico. EMBRAPA, v, 50, p. 1- 4, 2016.

LORENZI, H.; MATOS, J.F.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas cultivadas. Nova Odessa (SP): Instituto Plantarum, 2016, 512p.

MACEDO, D. R. R. B. D; SOUZA, H. T. N; GUIMARÃES, M. V. Ações antimicrobiana e anti-inflamatória da Punica granatum L. (romã) no tratamento da doença periodontal: uma revisão de literatura. Revista Saúde, v.14, n.1/2, 2020.

MATOS, S. F. Plantas medicinais no nordeste brasileiro: biodiversidade e os seus usos. 2021. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Centro Universitário AGES. Paripiranga, 2021.

PATRÍCIO, Karina Pavão et al. O uso de plantas medicinais na atenção primária à saúde: revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, 2020, [online].

PIRIZ, M.A. et al. Plantas medicinais no processo de cicatrização de feridas: uma revisão de literatura. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, Campinas, v.16, n.3, p.628-636, 2015.

RIBEIRO, C.M. Avaliação da atividade antimicrobiana de plantas medicinais. Dissertação de mestrado. Instituto de Ciências e Saúde. Universidade Federal do Pará – UFPA, 2018.

ROCHA, K. B. F. et al. Effect of Arrabidaea chica extract against chemically induced breast cancer in animal models. Acta cirurgica brasileira, v. 34, 2019.

RODRIGUES, M. C. Terapia fotodinâmica mediada por extrato de crajiru e cloreto de alumínio-ftalocianina em nanoemulsões no tratamento de câncer de mama in vitro. Dissertação (Mestrado em Nanociências e Nanobiotecnologia) Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2016.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco/Ministério da Saúde, 2017.

VALLE, M.G. ASSAD, A, L, D. Sistema Nacional de Inovação em Biotecnologia: Recentes mudanças. Fitos Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação em Fitoterápicos. V.3, n.1, p.6-19,2017.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.