O SERVIÇO SOCIAL E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Envelhecimento populacional
idoso
serviço social

How to Cite

Rabelo, A. P. dos S. M., Miranda, J. S., & Silva, L. V. (2023). O SERVIÇO SOCIAL E O ENVELHECIMENTO POPULACIONAL NO BRASIL. REVISTA FOCO, 16(11), e3742. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-201

Abstract

O envelhecimento populacional é um dos maiores desafios da sociedade contemporânea. Como as pessoas estão tendo maior longevidade, a sociedade terá que adaptar e aprender a lidar com esse envelhecimento. Segundo dado do Banco Mundial estima-se que até 2020 o número de pessoas atendidas por casa de repousos no Brasil dobrará e, em 2040, será cinco vezes maior que em 2008. Nesse sentido, o desafio do Serviço Social perante a população idosa consiste na construção de uma sociedade em que os idosos tenham um lugar ativo e proativo. O processo de envelhecimento sempre será uma temática presente na evolução da sociedade. Objetivou-se buscar, mapear na literatura o que tem sido produzido, nos últimos 10 anos, sobre as contribuições do Serviço Social em relação ao envelhecimento populacional no Brasil. Trata-se de uma Revisão Integrativa da Literatura realizada nas bases de dados: CAPES, BVS e SCIELO, no período compreendido entre 2011 e 2021. A busca inicial resultou em 170 artigos, sendo 122 na CAPES, 36 na BVS e 12 na SCIELO. A amostra final da revisão obteve cinco artigos, sendo zero da CAPES, cinco da BVS e zero da Scielo. A análise e interpretação dos resultados, assim como, a apresentação da revisão, realizaram-se de forma descritiva, considerando os níveis de evidência.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-201
PDF (Português (Brasil))

References

ADAMS, Robert, Lena DOMINELLI and Malcolm PAYNE (ed). Critical Practice

in Social work. 2ª edition. London: Palvrave, macmillan, 2009.

ANDRADE, M. Campo de intervenção do Serviço Social, autonomias e heteronomias do agir. Intervenção Social, nº 23/24, 2001.

BANCO MUNDIAL. Envelhecendo em um Brasil mais velho. Washington, DC: Banco Mundial, 2011.

BRASIL. Lei no 8.842, de 4 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a Política Nacional do Idoso, cria o Conselho Nacional do Idoso e dá outras providências. Brasília: MPAS, 1994.

BRASIL. Lei no 10.741, de 1 de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Brasília: 2003.

BRUNO, Regina Pastor. Cidadania não tem idade, p78, 2003. Cortez.

CAMARANO, A. A.; PASINATO, M. T. Os novos idosos brasileiros muito além dos 60? Organizado por Ana Amélia Camarano. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2004. p. 1-604.

CARVALHO, Maria Irene Lopes B. de, Os Cuidados Domiciliários em Instituições de Solidariedade Social no Concelho de Cascais. Lisboa: ISCTE--IUL, 2010. Tese de doutoramento. Disponível em www:http://hdl.handle.60 Lusíada. Intervenção Social, Lisboa, n.º 38 [2.º semestre de 2011] Maria Irene Lopes B. de Carvalho net/10071/2364, 2021.

CARVALHO, Maria Irene; et. al A Actuação do Assistente Social Promotora de Cidadania na Transição Pós-moderna. in Intervenção Social, nº 13/14, Lisboa: ISSS, 1996.

DOMINELLI, Lena. Social Work, Theory and Practice for a Changing Profession,

Cambrigde: Polity Press, 2004.

DONATI, L.; BEUTER, M.; SCHIMITH, M. D. Organização do Cuidado ao Idoso Dependente. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 17, n. 1, p. 115 - 125, jan./jul. 2018.

ERCOLE, F. F.; MELO, L. S. de.; ALCOFORADO, C. L. G. Revisão Integrativa versus Revisão Sistemática. Rev Min Enferm, v. 18, n 1, p. 1-11, jan/mar. 2014.

GOLDMAN, S. Velhice e direitos sociais. In GOLDMAN, S. Et all. (orgs.). Envelhecer com cidadania: quem sabe um dia? Rio de Janeiro: CBCISS; ANG/Seção Rio de Janeiro, 2000. (pp. 13-42).

GONÇALVES, A.; BRANCHI, B. A. Envelhecimento, sustentabilidade e reforma do Sistema de Seguridade Social brasileiro: um novo desafio demográfico para uma velha questãopolítica. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 18, n. 2, p. 348-361, jul./dez. 2019.

IAMAMOTO, M.V. Serviço Social na contemporaneidade. SP: Cortez, 1998.

MIRANDA, D. S. de. Socialização e participação dos idosos: o caso Sesc. Perspectiva social do envelhecimento / maria Cristina Dal rio, Danilo Santos de Miranda; [coordenação geral Áureaeleotério Soares Barroso]. -- São Paulo : Secretaria estadual de assistência e Desenvolvimento Social : Fundação Padre anchieta, 2009.

PAULINO, L. F. O Fenômeno de envelhecimento populacional no Brasil e a participação do Serviço Social, 2006.

PAYNE, Malcolm. Humanistic Social Work. London: Palvrave, macmillan, 2011.

REZENDE, A. C. P. et al. Programa vida saudável em contagem: a perspectiva de um gestor.Licere, Belo Horizonte, v.21, n.1, mar/2018.

PIOVESAN, A; KIST, R. A Territorialização da Política Nacional de Assistência Social e a Proteção Social das Pessoas Idosas usuárias do Benefício de Prestação Continuada no Corede do Vale do Rio Pardo – RS. Textos & Contextos (Porto Alegre), v. 16, n. 2, p. 373-387, ago./dez. 2017.

SOUZA, M.T.; SILVA, M.D.; CARVALHO, R. Integrative review: what is it? How to do it? Einstein (São Paulo). mar. 2010.

VERAS, Renato. A longevidade da população: desafios e conquistas. Serviço Social e Sociedade, p14, 2003. Cortez.

YAMAGUCHI, M. B. et al. Perfil dos Idosos do Centro-dia para Idosos “A Mão Branca”. Revista Kairós-Gerontologia, v. 21, n. 2, p. 393-405. 2018.

YAZBEK, M. C. Políticas sociais e Assistenciais: estratégias contraditórias de gestão estatal da pobreza das classes subalternas. In Classes subalternas e assistência social, SP: Cortez edit., 1996 (pp.35-59).

World Health Organization; tradução; Suzana Gontijo. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 60p.: il.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.