ESTUDO BIOLÓGICO E QUÍMICO DO GÊNERO ASPIDOSPERMA E SUA ATIVIDADE ANTIMALÁRICA
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Etnobotânica
antiparasitários
tratamentos alternativos
plasmodium falciparum
estudo fitoquímico
extração de biomoléculas
alcalóides indólitos
plasmodium spp

How to Cite

Grifoni, R., & Rezende, G. (2023). ESTUDO BIOLÓGICO E QUÍMICO DO GÊNERO ASPIDOSPERMA E SUA ATIVIDADE ANTIMALÁRICA. REVISTA FOCO, 16(11), e3727. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-194

Abstract

A malária é a doença parasitária de mais alto risco no Brasil e no mundo, devido sua forma grave pesquisadores de todo o mundo andam em busca de tratamentos alternativos em potencial. Com o decorrer do tempo o parasita plasmodium vem se fortalecendo contra os antiparasitários já existentes no mercado. A espécie do gênero Aspidosperma mais conhecida é a Carapanaúba, visto que este gênero possui propriedades medicinais promissoras na eliminação do parasita plasmodium, onde o oléo extraído da árvore é utilizado há mais de 8.000 anos de conhecimento popular pelas comunidades caboclas e indígenas. Então, ao investigar as propriedades do gênero Aspidosperma, alguns questionamentos surgiram no percurso, como: buscar um tratamento alternativo para esta patologia, tendo em vista que as cepas do parasita estão se fortalecendo cada vez mais contra os antiparasitários. Para responder a essa pergunta, propõe-se realizar uma revisão de literatura que aborde as pesquisas realizadas sobre o tema, no intuito de obter parâmetros fidedignos que demonstrem o potencial das plantas medicinais na prevenção, tratamento e cura da malária, visto a importância da erradicação desta doença na população brasileira.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-194
PDF (Português (Brasil))

References

AGUIAR, AC. 2015. Aspidosperma (Apocynaceae) plant cytotoxicity and activity towards malaria parasites. Part II: experimental studies withAspidosperma ramiflorum in vivo and in vitro. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2015 Nov;110(7):906-13. doi: 10.1590/0074-02760150188. PMID: 26560981; PMCID: PMC4660620. 10

ALHO, R.C.R.M. 2015. Malária transfusional: revisão sistemática. Andersson, J.A. 2018. Combating multidrug-resistant pathogens with host-directed nonantibiotic therapeutics. Antimicrob Agents Chemother, v. 62, e1943-17, 18p. 2018.

CABRERA, Sônia P. et al. 2020. Alcalóides indólicos plumeranos de flores de Aspidosperma pyrifolium. Revista Brasileira de Farmacognosia , v. 30, p. 346-349, 2020. Coutinho, J.P. 2013.

Aspidosperma (Apocynaceae) plant cytotoxicity and activity towards malária parasites. Part I: Aspidosperma nitidum (Benth) used as a remedy to treat fever and malaria in the Amazon. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz. Rio de Janeiro, v. 108, n. 8, p. 974-982, 2013.

DA SILVA, Adrielle Firmino et al. 2022. Monitoramento das aplicações químicas de Aspidosperma pyrifolium Mart. Research, Society and Development, v. 11, n. 4, p. e0411426963, 2022.

DE PAULA, Renata Cristina; DOLABELA, Maria Fâni; DE OLIVEIRA, Alaíde Braga. 2014. Espécies de Aspidosperma como fontes de antimaláricos. Parte III. Uma revisão do uso tradicional e da atividade antimalárica. Planta médica , v. 80, n. 05, pág. 378-386, 2014.

DE SOUZA, B.V. 2021. Histórico dos aspectos epidemiológicos e análise de intervenções de saúde pública efetivas no controle da malária no Brasil. Brazilian Journal of Health Review, v. 4, n. 1, p. 1521-1533, 2021.

FAIRHURST, Rick M.; DONDORP, Arjen M. 2016. Malária por Plasmodium falciparum resistente à artemisinina. Espectro de microbiologia , v. 4, n. 3, pág. 10.1128/microbiolspec. ei10-0013-2016, 2016.

https://www.merckmanuals.com/en-pr/professional/infectious-diseases/extraintestinalprotozoa/malaria By Chealsea Marie University of Virginia acesso em 09/07/2023

Nogueira, P. C., Araújo, R. M., Viana, G. S., Araújo, D. P. D., Braz Filho, R., & Silveira, E. 2014. R. Plumeran alkaloids and glycosides from the seeds of aspidosperma pyrifolium mart. Journal of the Brazilian Chemical Society, 25(11), 2108-2120. 2014.

PRICE RN, von Seidlein L, Valecha N, Nosten F, Baird JK, White NJ. 2014. Global extent of chloroquine-resistant Plasmodium vivax: a systematic review and meta-analysis. Lancet Infect 11 Dis. 2014 Oct;14(10):982-91. doi: 10.1016/S1473-3099(14)70855-2. Epub 2014 Sep 8. PMID: 25213732; PMCID: PMC4178238.

SILVA, Antônia Lima da. 2014. Uso de plantas para tratamento da malária em seis comunidades de Boca do Acre, Amazonas. Tese de doutorado em Agronomia Tropical da Universidade Federal do Amazonas, 2014.

SOUSA, Jonata Ribeiro de et al. 2015. Situação da malária na Região do Baixo Amazonas, Estado do Pará, Brasil, de 2009 a 2013: um enfoque epidemiológico. Rev Pan-Amaz Saude, Ananindeua , v. 6, n. 4, p. 39-47, dez. 2015 . Disponível em . acessos em 11 set. 2023.

Souza PF, Xavier DR, Suarez Mutis MC, da Mota JC, Peiter PC, de Matos VP, Magalhães MAFM, Barcellos C. 2019. Spatial spread of malaria and economic frontier expansion in the Brazilian Amazon. PLoS One. 2019 Jun 18;14(6):e0217615. doi: 10.1371/journal.pone.0217615. PMID: 31211772; PMCID: PMC6581252.

VEIGA, J. B.; SCUDELLER, V. V. 2015. Etnobotânica e medicina popular no tratamento de malária e males associados na comunidade ribeirinha Julião–baixo Rio Negro (Amazônia Central). Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v. 17, p. 737-747, 2015.

YANG, Lu. 2021. Syntheses of Aspidospermidine, N-Methylaspidospermidine, N-Acetylaspidospermidine, and Aspidospermine via a Tandem Cyclization of Tryptamine Ynamide. Cartas Orgânicas , v. 23, n. 16, pág. 6471-6476, 2021.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.