ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A AUSÊNCIA DE SENSIBILIDADE MORAL E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS QUE PRATICAM O BULLYING
pdf

Keywords

Bullying
desenvolvimento cognitivo
desenvolvimento moral
aprendizagem escolar

How to Cite

Ribeiro, M. C., & de Assis, O. Z. M. (2023). ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A AUSÊNCIA DE SENSIBILIDADE MORAL E O PROCESSO DE APRENDIZAGEM DOS ALUNOS QUE PRATICAM O BULLYING. REVISTA FOCO, 16(11), e3689. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-169

Abstract

O presente artigo visa tecer algumas reflexões acerca do desenvolvimento cognitivo e moral que se desenvolve no contexto do bullying nas escolas brasileiras. E ainda, destacar a pertinência sobre a compreensão acerca desses conceitos perante o fazer pedagógico. Esse texto é fruto de um estudo e análise da tese de doutoramento que fora discutida na faculdade de Educação – Unicamp em 2016. Nas escolas Estaduais investigadas, esse tipo de ação violenta que traz danos físicos e psicológicos aos envolvidos pode demonstrar a ausência de sensibilidade moral dos que a praticam e denotar algumas lacunas presentes no processo de construção das estruturas lógicas elementares do pensamento. Observamos a necessidade de intervir pedagogicamente de modo a minimizar esse tipo de conflito que se acomete entre os alunos. Entre essas tentativas, destaca-se a prática do diálogo dentro das escolas a ser desenvolvida entre todos os membros que nela participam, e ainda, considerar a necessidade de se conhecer como esses meninos e meninas constroem suas estruturas cognitivas e se desenvolvem moralmente. Ou seja, é preciso que enquanto educadores nos aproximemos do processo de construção das competências cognitivas que precisam ser constantemente discutidas nos currículos escolares bem como das competências sócio-emocionais que muitas vezes não são consideradas no cotidiano da sala de aula, uma vez que, o enfoque do trabalho pedagógico consiste em dar conta dos conteúdos inerentes as disciplinas curriculares. Foi por meio dessa pesquisa que buscamos produzir conhecimentos que pudessem ser usados por professores e outros especialistas sobre a necessidade de conhecer melhor aqueles alunos e alunas que se envolvem frequentemente com situações de bullying (em especial, como perpetradores), os quais trazem no bojo de suas relações características marcantes do sujeito psicológico em desenvolvimento. Neste trabalho, pudemos investigar a relação existente entre o nível de desenvolvimento cognitivo dos autores de bullying com o fato dos mesmos apresentarem dificuldades no processo de aprendizagem em disciplinas específicas do currículo, em especial na matemática, que consiste na aquisição do conhecimento lógico matemático, e carência de sensibilidade moral. Para a realização do presente trabalho foram utilizados os seguintes instrumentos: provas piagetianas para diagnóstico do comportamento operatório; questionário para a obtenção de dados demográficos e conceitos finais dos alunos com perfil de autores de bullying nas disciplinas de matemática e Língua Portuguesa. Pudemos verificar que as lacunas no nível de desenvolvimento cognitivo, bem como a baixa qualidade nas relações interpessoais dos alunos que se envolvem frequentemente em ações de bullying, assinaladas pela ausência de sensibilidade moral, podem afetar a aprendizagem e consequentemente trazer limitações ao desenvolvimento e construção de certas habilidades curriculares.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-169
pdf

References

ALMEIDA, A.; DEL BARRIO, C. A. A vitimização entre companheiros em contexto escolar. Um novo método narrativo para estudo das representações dos maus-tratos entre pares na pré-adolescência: o Scan Bullying. In: MACHADO, C.; GONÇALVES, R. A. (coord.). Violência e vítimas de crime: crianças. Coimbra: Quarteto, 2002. (v.2)

AVILÉS, J. M. La intimidación entre iguales (bullying) en la Educaciòn Secundária Obligatória. Validación del Cuestionário CIMEI y estudio de incidencia (Tesis doctoral no publicada). Universidad de Valladolid, 2002.

. Bullying: El maltrato entre iguales. Agressores, víctimas y testigos en la escuela. Salamanca: Amarú Ediciones, 2006.

. Bullying: Diferencias de atribución causal en el bullying entre sus protagonistas (Differences of causal attribution in bullying among participants). Eletronic Journal of Research in Educacional Psychology, v. 4, n. 2, p. 136-148, 2008.

. Prevención del maltrato entre iguales a través de la educación moral. IIPSI Revista de Investigaciones Psicológicas, v. 15, n. 1, p. 17-31, 2012.

. Analisis psicosocial Del cyberbullying. Claves para uma educación moral (A psychosocial analysis of cyberbullying: Keys to a moral education). Papeles Del psicólogo, v. 34, n.1, p. 65-73, 2013.

. Bullying: Guia para educadores. Campinas:Mercado das Letras, 2013.

BANDURA, A. Moral desengagement in the perpetration of inhumanities. Personality and Social Psychology Review, v. 3, n. 3, p. 193-209,1999.

. Selective moral disengagement in the exercise of moral agency. Journal of Moral Education, v. 31, n. 2, p. 101-119, 2002.

BANDURA, A.; CAPRARA, G.V.; BARBARANELLI, C.; PASTORELLI, C.

Sociocognitiveself regulatory mechanisms governing transgressive behavior. Journal of Personality and Social Psycology, v.80, n. 1, p. 125-135, 2001.

CONOVER, W. J. Practical Nonparametric Statistics. 3. ed. Nova York:John Wiley & Sons Inc., 1999.

ESLEA, M.; MENESINI, E.; MORITA, Y.; O´MOORE, M.; MORA-

MERCHÁN, J.A.; PEREIRA, B. Friendship and loneliness among bullies and victims: data from seven countries. Aggressive Behavior, v. 30, n. 1, p, 71–83, 2004.

FANTE, C. Fenômeno Bullying: Como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. 2. ed. Campinas: Versus Editora, 2005.

FISHER, H. L.; MOFFITT, T.E.; HOUTS, R.M.; BELSKY, D.W.;

ARSENEAUTL, L.; CASPI, A. Bullying victimization and risk of self-harm in early adolescence: longitudinal cohort study. BMJ, v. 344, n. 2683, 2012.

GINI, G.; POZZOLI, T.; HYMEL, S. Moral disengagement among children and youth: a meta-analytic review of links to agressive behavior. Agressive Behavior, n. 40, p. 56-68, 2014.

HOOVER, J. H.; OLIVER, R.; HAZLER, R. J. Bullying perceptions of adolescent victims in the Midwestern USA. School Psychology International, v. 13, n. 1, p. 516-525, 1992.

KOHLBERG, L. Estadios morales y moralización. El enfoque cognitivo-evolutivo [Moral stages and moralization. The cognitive-developmental approach]. In E. Turiel, I. Enesco y J. Linaza (Eds.), El mundo social en la mente infantil [The social world in the child's mind]. Madrid: Alianza Editorial, 1989.

LA TAILLE, Y. et al (org.). Crise de Valores ou Valores em crise. Porto Alegre,:Artmed, 2009.

MANTOVANI DE ASSIS, O. Z. A solicitação do meio e a construção das estruturas lógicas elementares na criança. 1976. 173 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1976.

. (org.). Provas para diagnóstico do comportamento operatório concreto e formal. São Paulo: Editora da Unicamp, 2004.

MENESINI, E.; SANCHEZ, V.; FONZI, A.; ORTEGA, R.; COSTABILE, A.;

LO FEUDO, G. Moral emotions and bullying: a cross-national comparison of differences between bullies, victims and outsiders. Aggressive Behavior, v. 29, n. 6, p. 515-530, 2003.

OBERMANN, M. Moral disengagement among bystanders to school bullying. Journal of School Violence, v. 10, n. 3, p. 239-257, 2011.

OLWEUS, D. Bullying at school: what we know and what we can do. Blackwell: Oxford. 1993.

. Bullying at school: basic facts and effects of a school based intervention program. Journal of Child Psychology and Psychiatry, v. 35, p. 1171- 1190, 1994.

. Bully/victim problems in school: Knowledge base and an effective intervention program. Irish Journal of Psychology, v. 18, n. 2, 170-190, 1997.

. In: SMITH, P. K. et al. (Eds.). The nature of school bullying: a cross-national perspective. London: Routledge, 1999. p. 7-27.

ORTEGA, R.; DEL REY, R.; MORA-MERCHÁN, J. A. Violencia entre

escolares. Conceptos y etiquetas verbales que definen el fenómeno del maltrato entre iguales. [Violence among school children. Concepts and verbal labels the phenomenon of bullying]. Revista Interuniversitaria de Formación del Profesorado, v. 41, p. 95–113, 2001.

PIAGET, J. Para onde vai a educação? 6. ed. Rio de janeiro: Zahar, 1948.

. Psicologia e Pedagogia. Rio de Janeiro: Forense: Universitária, 1970.

. O juízo moral na criança. São Paulo. Summus,1934- 1994.

. A equilibração das estruturas cognitivas: Problema central do desenvolvimento. 2. ed. Rio de Janeiro:Zahar, 1998.

. Seis Estudos de Psicologia. 23. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

PIAGET, J.; INHELDER, B. A psicologia da criança. 6. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

PUIG, J. M. A construção da personalidade moral. São Paulo: Ática, 1998.

RIBEIRO, M. C. O Desenvolvimento cognitivo dos autores de bullying: Implicações para aprendizagem escolar. Tese de Dougtorado, 2016.

RIGBY, K. New perspectives on bullying. Philadelfia: Kingsley, 2005.

SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria da Educação. Matriz de Avaliação processual: anos iniciais; língua portuguesa e matemática; encarte do professor. São Paulo: SEE, 2016.

SEIXAS, S. R. Violência escolar. Metodologias de identificação dos alunos agressores e/ou vítimas. Análise Psicológica, v. 2, n. XXIII, p 97-110, 2005.

SCHWARTZ, D. Subtypes of victims and aggressors in children’s peer groups. Journal of Abnormal Child Psychology, v. 28, n. 2, p. 181–192, 2002.

TOGNETTA, L. R. P. A construção da solidariedade e a educação dos sentimentos na escola: uma proposta de trabalho com as virtudes numa visão construtivista. Campinas: Mercado das Letras, 2007.

. A formação da personalidade ética: estratégias de trabalho com afetividade na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

. Vencer o Bullying Escolar: O desafio de quem se responsabiliza por educar moralmente. In: TOGNETTA, R. P.; VINHA, T. P. (org.). É possível superar a violência na escola?: Construindo caminhos pela formação moral. São Paulo: Editora do Brasil, 2012. Cap. 5.

TOGNETTA, L. R. P.; BOZZA, T. L. Cyberbullying: um estudo sobre a incidência do desrespeito no ciberespaço e suas relações com as representações que adolescentes têm de si. Nuances. Estudos sobre Educação da UNESP, v. 23, n. 24, p. 164-180, 2010.

TOGNETTA, L. R. P.; LA TAILLE, Y. A formação da personalidade ética: representações de si e moral. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 24, p. 181-188, 2008.

TOGNETTA, L.R.P.; MARTINEZ, J.M.A.; ROSÁRIO, P. Bullying, un

problema moral: representaciones de si mismo y desconexiones morales. Revista de Educacion España, 2016.

TOGNETTA, L. R. P.; ROSÁRIO, P. Bullying e autorregulação: um estudo sobre o fenômeno à luz da psicologia moral. 2012. [texto não publicado].

. Bullying: dimensões psicológicas no desenvolvimento moral. Revista Estudos em Avaliação Educacional, v. 24, n. 56, p. 106-137, 2013.

TOGNETTA, R. P.; VINHA, T. P. Quando a Escola é Democrática: Um olhar sobre as práticas das regras e assembleias na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

. Estamos em conflito: eu, comigo e com você! Uma reflexão sobre o bullying e suas causas afetivas. Escola, conflitos e violência. Santa Maria: Editora da UFSM, 2008.

TURIEL, E. The development of social knowledge: Morality and convention. Cambridge: Cambridge University Press, 1983.

TURNER, R. M. Moral disengagement as a predictor of bullying and aggression: Are there gender differences? (Tesis doctoral no publicada). Universidadde Nebraska-Lincoln., 2009.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.