RELAÇÃO ENTRE QUEIXAS VOCAIS E TEMPO DE FONAÇÃO EM PROFESSORES DE MANAUS
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Professores
saúde vocal
perfil vocal

How to Cite

Bentes, S. K. R., & Amorim, B. J. L. (2023). RELAÇÃO ENTRE QUEIXAS VOCAIS E TEMPO DE FONAÇÃO EM PROFESSORES DE MANAUS. REVISTA FOCO, 16(11), e3642. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-120

Abstract

Professores são profissionais que frequentemente enfrentam desafios vocais devido ao uso excessivo da voz em seu ambiente de trabalho. O estudo visa investigar a relação entre as queixas vocais e a avaliação do Tempo Máximo de Fonação (TMF), com foco na análise da relação s/z, em professores que buscam atendimento fonoaudiológico em uma universidade de Manaus. Objetivo: O presente estudo teve como objetivo central analisar o perfil vocal de professores que buscam atendimento fonoaudiológico, correlacionando suas queixas vocais com a avaliação do Tempo Máximo de Fonação (TMF) e a relação s/z, a fim de identificar possíveis disfunções vocais e orientar estratégias terapêuticas direcionadas. Metodologia: Foi realizada uma pesquisa de campo, analisando 15 prontuários de professores atendidos em um serviço de fonoaudiologia de voz em conformidade com as diretrizes éticas. Os dados incluíram queixas vocais, valores do TMF e relação s/z. Os participantes autorizaram o uso de seus dados por meio do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE). Resultados: Os resultados revelaram que uma parcela significativa de professores apresentava falta de coaptação glótica, conforme indicado pela relação s/z, o que corroborava com as queixas de rouquidão, cansaço vocal e desconforto na garganta. A análise quantitativa do TMF apresentou variações individuais nas capacidades vocais dos professores.  Conclusão: A relação entre queixas vocais, TMF e relação s/z foi essencial na identificação de disfunções vocais e no desenvolvimento de estratégias terapêuticas direcionadas. A compreensão dessa relação permite uma abordagem mais eficaz no tratamento das condições vocais dos professores. A pesquisa contribui para o conhecimento científico em fonoaudiologia e promove a qualidade de vida e o desempenho vocal de profissionais que desempenham um papel crucial na educação e na sociedade.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-120
PDF (Português (Brasil))

References

ALVES, Ellen. et al. Tempos máximos fonatórios e sua relação com sexo, idade e hábitos de vida em idosos. Distúrbios Comum. São Paulo 2015;27(3):530–9. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/20002/17728 Acesso em 15.jun.2023

AOKI, Milena. et al. Conteúdos didáticos nas intervenções de saúde vocal do professor: uma revisão integrativa. Distúrb Comun, São Paulo, vol. 30, n. 1, p. 128-139, março, 2018.

Behlau M, Madazio G, Feijó D, Pontes P. Avaliação de voz. In: Behlau M. organizador. Voz: o livro do especialista. vol 1. Rio de Janeiro: Revinter; 2001. p. 85-172.

BEHLAU, M; PONTES, P. Avaliação e Tratamento das Disfonias. In M. Behlau & P. Pontes. Avaliação e tratamento das disfonias (pp.218-262). São Paulo: Lovise

CARRÉRA, Camila; ARAÚJO, Ana; LUCENA, Jonia. Correlação entre capacidade vital lenta e tempo máximo de fonação em idosos. Revista CEFAC, 2016 - SciELO Brasil.

CIELO, Carla. et al. Maximum phonation time of /a/, maximum phonation time predicted and respiratory type in adult women without laryngeal disorders. Rev CEFAC. 2015;17(2):358–63.

CIELO, Carla; RIBEIRO, Vanessa; BASTILHA, Gabriele. Spectrographic voice measures, vocal complaints and occupational data of elementary school teachers. Distúrb. Comun. 2015;27(2):299-308.

CAVALCANTI, Nilcineide. Et al. Efeito do programa integral de reabilitação vocal em professores com disfonia comportamental. CoDAS vol. 30, n.4, 2018 Disponível em https://www.scielo.br/j/codas/a/CtpcfVzsMz8Nnh9MgjSkNMm/?lang=pt Acesso em 09.ago.2023

CONSELHO NACIONAL DE SAÚDE, Resolução CNS n. 66 de 12 de dezembro de 2012, disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

FILHO, Fábio; SOUZA, Joyce; BARBOSA, Luiza. Prevalência do absenteísmo por distúrbios vocais entre professores. Bionorte, Montes Claros, v. 9, n. 1, p.20-25, jan./jun. 2020. Disponível em https://www.revistabionorte.com.br/arquivos_up/artigos/a404.pdf Acesso em 09.ago.2023

FERREIRA, Léslie. et al. Distúrbio de voz e trabalho docente. Rev. CEFAC. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rcefac/a/jRY6JY9sKHRPfwvMbP6yMFS/abstract/?lang=pt Acesso em 09.ago.2023

FERREIRA, Léslie. et al. Distúrbio de voz e qualidade de vida em professores: um estudo caso controle. São Paulo: Distúrb Comum, vol 34, n. 2, 2022.

FERREIRA, Léslie. et al. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho: Proposta de uma filha de notificação individual. São Paulo: Distúrb Comum, vol 30, n. 2, 2018.

LEITE, Aline. et al. Tempos máximos de fonação e capacidade vital de mulheres disfônicas. Rev. CEFAC. 2018 Set-Out; 20(5):632-639. https://www.scielo.br/j/rcefac/a/5nX5ycwGQD7NBDskCkYyyTy/?format=pdf&lang=pt Acesso em 09.ago.2023

LIMA, Danusa. et al. Correlação entre a capacidade vital lenta e o tempo máximo de fonação em adultos saudáveis. Rev. CEFAC. 2014;16(2):592–7

MASSON, Maria. et al. Em busca do reconhecimento do distúrbio de voz como doença relacionada ao trabalho: movimento histórico-político. Ciênc. saúde colet. 24 (3) • Mar 2019 Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-1232019000300805&lng=en Acesso em 08.mar.2023

MEDEIROS, Adriane; VIEIRA, Marcel. Ausência ao trabalho por distúrbio vocal de professores da Educação Básica no Brasil. Cad Saúde Publica [Internet]. 2019; 35. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2019000505001&tlng=pt Acesso em 08.mar.2023

MENDES, Amanda. et al. Voz do professor: sintomas de desconforto do trato vocal, intensidade vocal e ruído em sala de aula. CoDAS; vol. 28, n. 2, p. 168- 175, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/codas/a/D5hwX4xfShN6QYbL5vS8qSy/?lang=pt# Acesso em 08.mar.2023

Ministério da Saúde. Distúrbio de voz relacionado ao trabalho - DVRT. Brasília 2018. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/disturbio_voz_relacionado_trabalho_dvrt.pdf Acesso em 08.mar.2023

MOSELLI, Luciana; ASSUNÇÃO, Ada; MEDEIROS, Adriane. Absenteísmo por distúrbios da voz em professores: revisão da literatura, 2005-2015. Distúrb Comum. v. 29, n. 3, p. 579-587, 2017 Disponível em https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/30366 Acesso em 08.mar.2023

PALMEIRA, Aline. et al. Use of the technique of counting numbers as a predictor of slow vital capacity in hospitalized individuals. Rev. CEFAC. 2015;17(2):559-66.

PELLICANI, Ariane. et al. Fundamental frequency and formants before and after prolonged voice use in teachers. J Voice. 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1016/j.jvoice.2017.04.011 Acesso em 08.mar.2023

PINHO, SMR. Avaliação e tratamento da voz. In: Pinho SMR. Fundamentos em fonoaudiologia: tratando os distúrbios de voz. 2. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2003. p. 3-40

SOUSA, Ana. et al. Programa de aquecimento e desaquecimento vocal para profissionais da voz. Distúrb Comum, São Paulo, vol 32. no 3, setembro, 2020 Disponível em: https://doi.org/10.23925/2176-2724.2020v32i3p470-480 Acesso em 08.mar.2023

SILVA, Raquel; Souza, Lourdes. Média da Frequência Fundamental dos Formantes e do Tempo Máximo de Fonação em um Grupo de Escolares. Rev Brasileira de ciência da Saúde 24(4), 2020. Disponível em: file:///C:/Users/FAMILIA/Downloads/nepefis-p14%20(2).pdf Acesso em 10.jan.2023

SILVA, Bárbara. et al. Analysis of possible factors of vocal interference during the teaching activity. Rev Saude Publica. 2017; 51:124. Disponível em: http://dx.doi.org/10.11606/S1518-8787.2017051000092 PMid:29236878. Acesso em 10.jan.2023

SANTOS, Telma. Observação fonoaudiológica da expressividade do profissional da voz falada: uma proposta de roteiro. Tese (Doutorado em Fonoaudiologia) - Pontifica Universidade Católica de São Paulo. São Paulo. 2018

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.