IMPACTO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À PUÉRPERA NO PERÍODO DE GREENBERG: UMA REVISÃO INTEGRATIVA
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Período pós-parto
equipe de enfermagem
enfermeiras e enfermeiros
enfermeiras obstétricas

How to Cite

da Silva, S. M. M., Mazzetto, F. M. C., Siqueira, F. P. C., & Cardoso, C. P. (2023). IMPACTO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM À PUÉRPERA NO PERÍODO DE GREENBERG: UMA REVISÃO INTEGRATIVA. REVISTA FOCO, 16(11), e3383. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-130

Abstract

Buscou-se compreender, na literatura nacional e internacional, o impacto do cuidado realizado pela enfermeira na primeira hora pós parto sob a perspectiva da profissional e da puérpera. Realizou-se uma revisão integrativa de literatura, no período de 2012 a 2022. As bases de dados utilizadas foram BDENF-ENFERMAGEM, LILACS, Medline, EMBASE, Web of Science, selecionando os idiomas Inglês, Português e Espanhol. Foram excluidas teses, dissertações e artigos que não respondem à pergunta de pesquisa. Assim, foram selecionados 32 artigos. Os resultados foram discutidos a partir das categorias: Ações das enfermeiras generalistas na assistência ao parto; Ações e percepções das enfermeiras obstetras, visando às boas práticas no puerpério; Percepções das puérperas quanto à assistência ao parto, e ainda, Potencialidades e limitações da operacionalização das políticas públicas de humanização ao parto. Diante da importância da assistência à puérpera durante o Período de Greenberg, é imprescindível a atuação do profissional de enfermagem para garantir a adesão às boas práticas relativas ao parto e ao nascimento de forma segura.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-130
PDF (Português (Brasil))

References

ABUD, A. C. F. et al. Fatores associados à humanização da assistência em uma maternidade pública. Rev. Enferm. UFPE on line, Recife, v. 12, n. 7, p. 1879-1886, 2018. DOI: 10.5205/1981-8963-v12i7a231395p1879-1886-2018.

ABBUD, F. S. F. et al. Desenvolvimento e validação de conteúdo do Resultado de Enfermagem “Satisfação da cliente: processo de parto”. Online Braz. J. Nurs., Niterói, v. 20, p. e20216455, 2021. DOI: 10.17665/1676-4285.20216455.

ALMEIDA, M. F. S. et al. Relato de experiência: implementação da residência em enfermagem obstétrica em um Hospital Universitário nos Campos Gerais/PR. In: MOLIN, R. S. D. (org.). Enfermagem: inovação, tecnologia e educação em saúde. Guarujá: Editora Científica, 2020. cap. 39, p. 505-512. DOI: 10.37885/200801116.

ALVARES, A. S. et al. Prácticas obstétricas hospitalarias y sus repercusiones en el bienestar materno. Rev. Esc. Enferm. USP, São Paulo, v. 54, p. 1-7, 2020. DOI: 10.1590/s1980-220x2018039003606.

ALVES, T. T. M. et al. Atuação da enfermeira obstetra no desenrolar do trabalho de parto e parto. Rev. Enferm. H. C. on line, p. 1-10, 2018. DOI: 10.18554/reas.v7i1.2282.

ALVES, H. V. et al. Parir e nascer num novo tempo: O cuidado utilizado no puerpério pela equipe Hinami. Rev. Min. Enferm., Belo Horizonte, v. 20, n. 949, p. 1-7, 2016.

DOI: 10.5935/1415-2762.20160018.

AMPARO, G. K. S.; SANTOS, E. B.; SILVA, E. A. L. Saúde da família- USF no

município de Santo Antônio de Jesus, na Bahia. A formação em enfermagem no ciclo gravídico puerperal. Rev. Enferm. UFPE on line, Recife, v. 11, n. 12, p. 1-6, 2017.

DOI: 10.5205/1981-8963-v11i12a25192p5139-5144-2017.

AMORIM, F. F. Avaliação das boas práticas de atenção ao parto por profissionais dos hospitais públicos do Distrito Federal, Brasil. Rev. Ciênc. saúde colet. [S. l.], v. 24, n. 6, 2019, DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232018246.08412019.

ALMEIDA, C. S. et al. Percepção das enfermeiras sobre o aleitamento materno no puerpério imediato. Rev. baiana enferm., Salvador , v. 36, e43626, 2022. DOI: http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v36.43626.

BRASIL. Diretrizes nacionais de assistência ao parto normal. Ministério da Saúde [S. l.: s. n.], 1ed, 53 p. 2017. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/diretrizes_nacionais_assistencia_parto_no rmal.pdf.

BRASIL. Humanização do Parto e do Nascimento. Ministério da Saúde, Brasília- DF, 1ed. atual. 467 p. 2014. Disponível em: https://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humani zacao_parto.pdf.

MEDEIROS, R. M. K. et al. Repercussões da utilização do plano de parto no processo de parturição. Rev. Ga. de Enferm. Porto Alegre, v. 40, p. e20180233, 2019. DOI: https://doi.org/10.1590/1983-1447.2019.20180233

BARBOSA, S. N. et al. Mudando a forma de nascer: parto na água no centro de parto normal intra-hospitalar. Enferm. Foco [S. l.]. v. 12, n.1, p.153-7, 2021. DOI: 10.21675/2357-707X.2021.v12.n7Supl.1.5204.

BARROS, L. M.; DA SILVA, R. M.. Atuação da enfermeira na assistência à mulher no processo de parturição. Texto Contexto Enferm. [S. l.], v. 13, p. 376-382, 2004. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-07072004000300006.

BARROS, A. P. Z. Experiência de profissionais e residentes atuantes no centro obstétrico acerca da utilização do plano de parto. Esc. Anna Nery, São Paulo, v. 27:e20220104. DOI: https://doi.org/10.1590/2177-9465-EAN-2022-0104pt.

BELARMINO, A. C. et al. Integralidade do cuidado de enfermagem do pré-natal ao puerpério. J. Health Biol. Sci. on line, p. 1-6, 2021. DOI 10.12662/2317- 3076jhbs.v9i1.3995.p1-6.2021.

BERNARDY, C. C. F. et al. Representations of puerperal women facing the assistance provided to their delivery: a descriptive study. Online Braz. J. Nurs [S. l.], p. 1-11, 2020. Disponível em: https://pesquisa.bvsalud.org/portal/resource/pt/biblio-1151567.

BRASIL. Painel de Monitoramento da Mortalidade Materna. Mistério da Saúde, 2022. Disponível em: https://svs.aids.gov.br/daent/centrais-de-conteudos/paineis-de- monitoramento/mortalidade/materna/. Acesso em: 6 jun. 2023.

CAETANO, J. H. et al. A atuação dos enfermeiros em emergência no período puerperal. Rev. Bras. Cienc. Saúde [S. l.], v. 24, n. 1, 25 mar. 2020. DOI:

22478/ufpb.2317-6032.2020v24n1.30300.

CALDEIRA, S. et al. Ações de cuidado do enfermeiro no programa Rede mão Paranaense. Rev. Min. Enferm., Belo Horizonte, v. 17, p. 1-9, 2017. DOI 10.5935/1415-2762.20170002.

CAMPOS, D. et al. Práticas na assistência ao parto em maternidades com inserção de enfermeiras obstétricas, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Esc. Anna Nery, São Paulo, v. 20, n. 2, p. 1-8, 2016. DOI 10.5935/1414-8145.20160044.

CAMPOS, R. C. et al. Revisão integrativa: Métodos de pesquisas para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Tex. Cont. Enferm. [S. l.], v. 17, n. 4, p. 1- 7, 2008. DOI 10.1590/S0104-07072008000400018.

CAVALCANTE , A. L. S. et al. Período de pós-parto na ótica de mulheres atendidas em um hospital universitário. Enferm. Foco [S. l.], v. 8, n.1, p. 1-5, 2017. DOI: https://doi.org/10.21675/2357-707X.2017.v8.n1.847.

CERQUEIRA, L. C. N. et al. Cuidados de enfermagem no período pós-parto: Um enfoque na atuação do enfermeiro diante as complicações puerperais. Rev. Nurs., São Paulo, v. 2, n.259, p. 1-11, 12, 2019. DOI:

https://doi.org/10.36489/nursing.2019v22i259p3436-3446.

CHAGAS, D. C. et al. Contentamento de puérperas assistidas por enfermeiros obstetras. Rev. enferm. UFPE on line, Recife, v. 12, n. 9, p. 2269-2275, 2018. DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963-v12i9a234777p2269-2275-2018.

COQUEIRO ,J. M. et al. Puerpério e Assistência de enfermagem: percepção das mulheres. Rev. enferm. UFPE on line, Recife. v. 11, n. 7, p. 1-8, 2017. DOI: 10.5205/reuol.11007-98133-3-SM.1107sup201702.

CORRÊA, M. S. M. et al. Acolhimento no cuidado à saúde da mulher no puerpério. Cad. Saúde Pub., [s. l.], v. 33, n.3, p. 1-12, 2017. DOI: 10.1590/0102-311X00136215.

COSTA, A. C. L. et al. Separação inevitável do binômio mãe-bebê no pós-parto imediato na perspectiva materna. Rev. Bras. Saúde Mater. Infantil [S. l.], v. 18, n. 3, p. 1-8, 2018. DOI 10.1590/1806-93042018000300004.

COSTA, R. et al. Enfermeiras obstétricas no processo de parturição: percepção das mulheres. Rev. enferm. UERJ, Rio de janeiro, v. 18, p. 1-7, 12 jan. 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2020.45901.

COSTA. N. et al. Conhecimento de puérperas sobre boas práticas em centro de parto. Rev. Enferm. UFPE on line, Sergipe, v. 15, n. 1, e246029, 2021. DOI: https://doi.org/10.5205/1981- 8963.2021.246029.

COSTA, M. C. G. et al. Violência Obstétrica: experiência da equipe multidisciplinar em saúde. Rev. Enferm. UFPE on line, Recife, v. 15, n. 2, p. 1-15, 2021. DOI 10.5205/1981- 8963.2021.246960.

COUTO, T. M. et al. Atuação de enfermeiras residentes em obstetrícia na assistência ao parto. Rev. Bras. Saúde Mater. Infantil [S. l.], v. 19, n. 1, p. 1-11, 2019. DOI: 10.1590/1806-93042019000100008.

RESOLUÇÃO Nº 573, DE 31 DE JANEIRO DE 2018. [S. l.], 2018. Disponível em:

https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2018/Reso573.pdf. Acesso em: 14 jun. 2023.

DANTAS, J. C. et al. O enfermeiro educador no puerpério imediato em alojamento conjunto na perspectiva de Peplau. Rev. Eletr. Enferm., [s. l.], v. 20, n. 8, p. 1-9, 2018. DOI: 10.5216/ree.v20.45470.

DIAS, B. A. S. et al. Variações das taxas de cesariana e cesariana recorrente no Brasil segundo idade gestacional ao nascer e tipo de hospital. Cad. Saúde Pub. [S. l.], v. 38, n. 6, p. 1-5, 2022. DOI: 10.1590/0102-311XPT073621.

DODOU, H. D. et al. A prática educativa realizada pela enfermagem no puerpério: representações sociais de puérperas. Rev. Bras. Enferm. [s. l.], v. 70, n.6, p. 1-9, 2017. DOI: 10.1590/0034-7167-2016-0136.

FERNANDES , F. E. C. V. et al. Understanding of nursing about skin-to-skin contact between mother/baby in the delivery room. Rev. Enferm. UFSM, Santa Maria, v. 10, n.93. p. 1-19, 2020. DOI: 10.5902/2179769242729.

FIALHO, A. V. M. et al . Pain in the immediate puerperium: nursing care contribution. Rev. Bras. Enferm. [S. l.], v. 31, p. 1343-1350, 2018. DOI:

http://dx.doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0345.

FONSECA, V. M. et al. Professional who attended childbirth and breastfeeding in the first hour of life. Rev. Bras. Enferm [S. l.], v. 73, n.2, p. 1-9, 2020. DOI: 10.1590/0034- 7167-2018-0448.

GALVÃO, T. F.; PANSANI, T. S. A.; HARRAD, D. Principais itens para relatar Revisões sistemáticas e Meta-análises: A recomendação PRISMA. Epidem. Serv. Saúde [S. l.], v. 24, p. 335-342, 2015.

GAMA , S. G. N. et al. Atenção ao parto por enfermeira obstétrica em maternidades vinculadas à Rede Cegonha, Brasil - 2017. Ciênc. Saúde Coletiva [S. l.], v. 26, n.3, p. 1-12, 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/1413-81232021263.28482020.

GIANTAGLIA, F. N. et al. Humanização da assistência em um programa de residência em enfermagem obstétrica: possibilidades e desafios. Enferm. (Montevideo) [S. l.], v. 9, n. 2, p. 114-128, 2020. DOI: https://doi.org/10.22235/ech.v9i2.2043.

MENDES, Y.M.M.B., RATTNER, D. Estrutura e práticas de hospitais integrantes do Projeto Ápice ON: estudo de linha de base. Rev. Saúde Pública [S. l.], v. 54, p. 23, 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/s1518-8787.2020054001497.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento, pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014, 407 p. ISBN: 978-85-271-0181-3.

MONTENEGRO , C. A. B.; REZENDE FILHO , J. Obstetrícia Fundamental. 13. ed. rev. [S. l.]: GUANABARA KOOGAN, 2014. 1.088 p.

NONATO, A. C.; PIO, D. A. M.; VERNASQUE, J. R. S. A experiência com a

abordagem de necessidades de saúde em um currículo de medicina: Análise à luz da Teoria Fundamentada nos Dados. New Trends Qual. Res. [S. l.], v. 12, p. 1-7, 2022. DOI: 10.36367/ntqr.12.2022.e635.

PRIGOL, A. P.; BARUFFI, L. M. O papel do Enfermeiro no cuidado à puérpera. Rev. Enferm. UFSM, Santa Maria, v. 7, n. 1, 2017. Disponível em: https://docs.bvsalud.org/biblioref/2021/07/1280740/22286-127934-2-pb.pdf. RIBEIRO, J. S. S. T. et al. Nurses’ Attitudes Toward the Families Caring Process Regarding the Childbirth and the Immediate Postpartum Period. Rev. Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J.) on line, Rio de Janeiro, v. 10, n.3, p. 1-9, 2018. DOI: 10.9789/2175-5361.2018.v10i3.784-792.

SANTOS, C. M. C; PIMENTA, C. A. M; NOBRE, M. R. C. A estratégia pico para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev. Latino-em Enferm [S. l.], v. 15, n.3, p. 508-511, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104- 11692007000300023.

SANTOS, R. S. et al. Percepção de puérperas atendidas em um centro de parto normal público de Pernambuco. Rev. Nursing [S. l.], v. 24, n. 680, p. 1-5, 2021. DOI: https://doi.org/10.36489/nursing.2021v24i280p6169-6178.

SHARMA, D. Golden hour of neonatal life: Need of the hour. Mater. Health, Neonatology and Perinatology, Jaipur, Rajasthan, v. 3, n. 1, p. 1-21, 2017. DOI: https://doi.org/10.1186/s40748-017-0057-x.

UNICEF. Iniciativa Hospital Amigo da Criança: revista, atualizada e ampliada para o cuidado integrado: módulo 4: Autoavaliação e monitoramento do hospital / Fundo das Nações Unidas para a Infância, Organização Mundial da Saúde. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010. 92 p.: il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos).

VENDRÚSCOLO, C. T.; KRUEL, C. S. A história do parto: do domicílio ao hospital; das parteiras ao médico; de sujeito a objeto. Cienc. Hum., Santa Maria, v. 16, ed. 1, p. 1-14, 15 jun. 2016. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumCH/article/view/1842.

TUESTA, A. A. et al. Atenção ao parto por enfermeira obstétrica em maternidades vinculadas à Rede Cegonha, Brasil – 2017. Cienc. Saúde Coletiva, [S. l.], v. 26, n. 3, p. 1-12, 24 abr. 2021. DOI 10.1590/1413-81232021263.28482020.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Shimarry Maria Magalhães da Silva, Fernanda Moeberck Cardoso Mazzetto, Fernanda Paula Cerântola Siqueira, Cristina Peres Cardoso