CORRELAÇÃO DA MOBILIDADE E RISCO DE QUEDA AMBIENTAL EM PESSOAS IDOSAS
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Fatores de risco
idoso
prevenção de acidentes
atenção primária à saúde

How to Cite

Lima, I. B., Santos, T. L., Pantoja, J. P., dos Santos, M. E. do M. A., Wu, S. V., Machado, A. H., Dias, B. A. C., & Dias, G. A. da S. (2023). CORRELAÇÃO DA MOBILIDADE E RISCO DE QUEDA AMBIENTAL EM PESSOAS IDOSAS. REVISTA FOCO, 16(11), e3346. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-142

Abstract

Introdução: No Brasil, cerca de 30% das pessoas idosas sofrem uma queda por ano, e essa percentagem aumenta para 50% entre os indivíduos com idade acima de 80 anos. O risco de quedas está associado ao seu estado de saúde, combinado com as alterações morfofisiológicas que ocorrem naturalmente durante o processo de senilidade. Sendo assim, as condições ambientais também contribuem para o risco de queda nesta população, onde tapetes escorregadios, iluminação inadequada, pisos deslizantes e assentos com altura inadequada são alguns exemplos. E é importante identificar e corrigir esses fatores para prevenir quedas e promover a segurança dos idosos. Objetivos: Correlacionar a mobilidade e risco de queda ambiental em pessoas idosas. Metodologia: Trata-se de um estudo observacional descritivo e analítico do tipo transversal, constituído de 39 participantes pertencentes aos grupos de práticas integrativas e de atividade física vinculados ao serviço e acompanhamento pela equipe da Atenção Primária à Saúde (APS). Avaliou-se os dados sociodemográficos, a mobilidade (teste de velocidade da marcha e o teste de sentar e levantar) e o risco de queda ambiental. Resultados: Houve prevalência do sexo feminino (92%), a maioria não havia sido hospitalizada (92%), não utilizava dispositivos de auxílio na marcha (100%), mas 41% já haviam sofrido quedas anteriormente. Ao avaliar a velocidade da marcha, identificou-se que 33% tiveram desempenho físico fraco, enquanto 67% foram considerados com desempenho normal. Já no teste de levantar e sentar durante 30 segundos, a média foi de 11,82±2,85 repetições. Em relação ao risco de queda ambiental, 13% dos domicílios foram classificados como baixo risco, 82% como médio risco e 5% como alto risco. Ao analisar os ambientes, foi observado que (85%) não tinha barras de apoio na área de locomoção, e 33% não possuíam revestimento uniforme ou tapetes fixos. E não houve associação entre o risco de queda ambiental e a velocidade da marcha. Conclusão: A maioria dos participantes apresentam desempenho normal para a velocidade da marcha e um número bom de repetições no teste de sentar e levantar. Poucas casas tiveram baixo risco, a maioria médio risco, e duas casas alto risco de queda ambiental. E não foi observado correlação entre a mobilidade e risco de queda ambiental.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-142
PDF (Português (Brasil))

References

ALVARES, L. M.; LIMA, R. C.; SILVA, R. A. Ocorrência de quedas em idosos residentes em instituições de longa permanência em Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Caderno Saúde Pública, v. 26, n. 1, p. 31-40, 2010.

ARAÚJO, A. et al. Falls in institutionalized older adults: risks, consequences and antecedents. Revista Brasileira de Enfermagem, v. 70, n. 4, p. 719-25, 2017.

BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção Defesa dos Direitos Humanos. Dados sobre o envelhecimento no Brasil. Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2013.

FERREIRA, L. de M. et al. Quedas em ambiente domiciliar: qualidade de vida dos idosos após as mesmas. Research, Society and Development, v. 11, n. 3, p. e39111326622, 1 mar. 2022.

JONES, C. J.; RIKLI, R. E.; BEAM, W. C. A 30-s chair-stand test as a measure of lower body strength in community-residing older adults. Research quarterly for exercise and sport, v. 70, n. 2, p. 113-119, 1999.

LUZIA, M. de F. et al. Características das quedas com dano em pacientes hospitalizados. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 40, n. spe, e20180307, 2019.

MARTINEZ, B. P. et al. Viability of gait speed test in hospitalized elderly patients. Jornal Brasileiro de Pneumologia, v. 42, n. 3, p. 196–202, 2016.

MIRANDA, D. P. et al. Quedas em idosos em ambiente domiciliar: uma revisão integrativa. Revista Enfermagem Atual, edição especial, p. 120-129, 2017.

NOGUEIRA, I. S. et al. Environmental risks for falls of elderly attended by the Family Health Strategy team. Revista Rene, v. 22, e60796, p. 1-8, 2021.

OLIVEIRA, S. R. N. et al. Fatores associados a quedas em idosos: inquérito domiciliar. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 34, n. 10998, p. 1-9, 2021.

OLIVEIRA, A. S. de et al. Fatores ambientais e risco de quedas em idosos: revisão sistemática. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 17, n. 3, p. 637-645, 2014.

OLIVEIRA, S. M. R. de; MORAIS, A. M. B. de; SOUSA, M. N. A. de. Principais causas da queda em idosos: um despertar para a prevenção. Revista Eletrônica Acervo Saúde, v. 23, n. 2, p. 1-10, 2023.

ROSA, V. P. P.; CAPPELLARI, F. C. B. D.; URBANETTO, J. de S. Análise dos fatores de risco para queda em idosos institucionalizados. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, v. 22, n. 1, e180138, 2019.

VALDUGA, R. et al. Risco de quedas e sua relação com a funcionalidade e medo de cair em idosas. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, v. 24, n. 1, p. 153-166, 2016.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Iasmyn Bastos Lima, Tainah Lacerda Santos, Jorgeane Pedrosa Pantoja, Maria Elenilda do Milagre Alves dos Santos, Shaumim Vasconcelos Wu, Angelica Homobono Machado, Biatriz Araújo Cardoso Dias, George Alberto da Silva Dias