EM PACIENTES ADULTOS COM TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR, COMO A PRÁTICA DO EXERCÍCIO FÍSICO MELHORA A SINTOMATOLOGIA DO TRANSTORNO?
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Adultos
exercício
transtorno depressivo maior
tratamento

How to Cite

Meneses, J. V. S., Oliveira, J. V. D. S., Lima, L. G. A., Vasconcelos, M. E. do A. S., Borges, M. G. A., Thomaz, M., Fermoselli, A. F. de O., & de Oliveira, J. S. (2023). EM PACIENTES ADULTOS COM TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR, COMO A PRÁTICA DO EXERCÍCIO FÍSICO MELHORA A SINTOMATOLOGIA DO TRANSTORNO?. REVISTA FOCO, 16(11), e2972. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-133

Abstract

O Transtorno Depressivo Maior (TDM) é caracterizado por episódios distintos de pelo menos duas semanas de duração - embora a maioria dos casos dure um tempo maior - envolvendo alterações nítidas no afeto, na cognição e em funções neurovegetativas, e remissões interepisódicas. Essa patologia é prevalente em todo o mundo, o que evidencia a necessidade de investigar as possibilidades de tratamento dela. Desse modo, esse artigo é uma revisão integrativa e objetiva responder como a prática do exercício físico, comparado com a não prática, melhora a sintomatologia do transtorno em pacientes adultos. As buscas foram realizadas, até dezembro de 2022, nas plataformas PubMed e Biblioteca Virtual em Saúde (BVS). Os descritores em saúde (DeCS) que foram empregados são: ‘’adult’’; ‘’depressive disorder, major''; ‘’exercise’’ e ‘’therapeutics’’. Sendo assim, foram selecionados artigos de diferentes delineamentos experimentais, os quais convergiram em relação à eficiência da intervenção de exercícios físicos, apresentados e aplicados em diferentes modalidades, de forma exclusiva ou complementar, na melhora da sintomatologia do TDM em pacientes adultos. Dessa forma, evidenciou-se, ao longo da revisão, que tal abordagem promove benefícios para a qualidade de vida desses pacientes e, por isso, deve ser estimulado pela comunidade científica, já que é um meio eficaz e acessível aos adultos depressivos.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n11-133
PDF (Português (Brasil))

References

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5, n.5, p.155, 2014. Disponível em: <https://www.institutopebioetica.com.br/documentos/manual-diagnostico-e-estatistico-de-transtornos-mentais-dsm-5.pdf />. Acesso em: 29 Out. 2022.

BARROS; SIEGEL; SIMONI. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: passos para o pluralismo na saúde. Cad. Saúde Pública, v.23, n.12, p.3066-3067, 2007. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0102-311X2007001200030/>. Acesso em: 29 Out. 2022.

DUNN, A. L. et al. “Exercise treatment for depression: efficacy and dose response.” American journal of preventive medicine, v.28, n.1, p.1-8, 2005. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/15626549/>. Acesso em: 29 Out. 2022.

GOURGOUVELIS, J. et al. “Exercise Leads to Better Clinical Outcomes in Those Receiving Medication Plus Cognitive Behavioral Therapy for Major Depressive Disorder.” Frontiers in psychiatry, v. 9, n. 37, 2018. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29559928/>. Acesso em: 30 Out. 2022.

GUTIÉRREZ-ROJAS, L. et al. “Prevalence and correlates of major depressive disorder: a systematic review.” Revista brasileira de psiquiatria (Sao Paulo, Brazil : 1999), v 42, n.6, p.657-672, 2020. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/32756809/>. Acesso em: 01 Out. 2022.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Saúde Mental Atlas 2020, p.12, v.7, 2020. Disponível em: <https://portalods.com.br/publicacoes/saude-mental-atlas-2020/>. Acesso em : 01 Out. 2020.

MINGHETTI, A. et al. “Sprint interval training (SIT) substantially reduces depressive symptoms in major depressive disorder (MDD): A randomized controlled trial.” Psychiatry research, v. 265, p.292-297, 2018. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/29775886/>. Acesso em: 29 Out. 2022.

MORRES, I. D et al. “Aerobic exercise for adult patients with major depressive disorder in mental health services: A systematic review and meta-analysis.” Depression and anxiety, v.36, n.1, p.39-53, 2019. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/30334597/>. Acesso em: 01 Out. 2022.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS), 2017. Depressão. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/topicos/depressao>. Acesso em: 28 Out. 2022.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS), 2022. Pandemia de COVID-19 desencadeia aumento de 25% na prevalência de ansiedade e depressão em todo o mundo. Disponível em: <https://www.paho.org/pt/noticias/2-3-2022-pandemia-covid-19-desencadeia-aumento-25-na-prevalencia-ansiedade-e-depressao-em#:~:text=2%20de%20mar%C3%A7o%20de%202022,Mundial%20da%20Sa%C3%BAde%20(OMS)>. Acesso em: 28 Out. 2022.

OLSON, R. et al. “A randomized trial of aerobic exercise on cognitive control in major depression”. Clinical Neurophysiology. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28402866/>. Acesso em: 29 Out. 2022.

WARNICK, S. J. Jr. et al. “Wait-there's evidence for that? Integrative medicine treatments for major depressive disorder.” International journal of psychiatry in medicine, v.56, n.5, p.334-343, 2021. Disponível em: <https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/34521233/>. Acesso em: 29 Out. 2022.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 João Victor Santos Meneses, José Vitor Dos Santos Oliveira, Luiz Gabriel Araújo Lima, Maria Eduarda do Amaral Silva Vasconcelos, Mário Gabriel Almeida Borges, Mikeli Thomaz, André Fernando de Oliveira Fermoselli, Jaim Simões de Oliveira