A INFLUÊNCIA FAMILIAR NO PROCESSO DE ALEITAMENTO MATERNO: UMA REVISÃO DE LITERATURA
PDF (Português (Brasil))

Keywords

Aleitamento materno
influência dos pares
família

How to Cite

de Farias, D. C. da S. ., Mazalli, E. R. ., Signori, G. M. de S. ., Marchi, M. J. ., Nonato, A. C. ., Pio, D. A. M. ., Gonçalves, E. R. G. ., & Barbosa, V. B. de A. . (2023). A INFLUÊNCIA FAMILIAR NO PROCESSO DE ALEITAMENTO MATERNO: UMA REVISÃO DE LITERATURA. REVISTA FOCO, 16(3), e1396. https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n3-104

Abstract

O aleitamento materno é considerado a melhor estratégia nutritiva para o recém-nascido, com inúmeros benefícios para ele e a mãe; como redução da mortalidade na infância, proteção contra diarreias, redução do risco de obesidade, promoção do desenvolvimento da cavidade bucal, promoção do crescimento, aumento do desenvolvimento cognitivo, assim como os ganhos maternos com esse processo: menores índices de sangramento pós-parto e consequentemente menor incidência de anemia, menor prevalência de câncer de ovário, endométrio e mama, recuperação mais rápida do peso pré-gestacional, menores custos financeiros para a família e melhor qualidade de vida. Durante o puerpério, a mulher vivencia diversas transformações relacionadas ao seu estado físico, psíquico e social, o que torna indispensável o apoio de pessoas próximas a ela. O presente estudo tem como objetivo compreender a influência da família no processo do aleitamento materno, através de revisão de literatura. A coleta de dados foi realizada a partir dos descritores “família”, “influência dos pares” e “aleitamento materno” nas bases de dados Latino-Americana e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde (LILACS), Scielo (Scientific Eletronic Library Online) e Base de Dados Bibliográficas Especializada na Área de Enfermagem (BDENF) no período entre 2012 e 2022. Após leitura de títulos e resumos, de 262 artigos foram selecionados 10 para análise por meio da Análise de Conteúdo na modalidade temática. Os estudos evidenciaram as influências positivas e negativas que a rede de apoio exerce durante o aleitamento materno e demonstraram que a influência familiar possui uma significativa importância no processo do aleitamento materno, sendo que as mulheres da família influenciam diretamente nas primigestas, com suas experiências vivenciadas durante o período de amamentação, sejam elas positivas ou negativas. A presença do pai se destacou com um poder significativo no decorrer da fase de aleitamento materno, pois demonstrou apoio emocional para o binômio mãe-filho, sendo que seus conhecimentos sobre a importância do aleitamento materno favoreceu a integração do pai na relação mãe-filho.

https://doi.org/10.54751/revistafoco.v16n3-104
PDF (Português (Brasil))

References

ABRANTES, G. M. T. M. Aleitamento materno - o papel do pai. 2014. Instituto Politécnico de Viseu, 2014. Disponível em: <https://repositorio.ipv.pt/bitstream/10400.19/2537/1/ABRANTES%2C Georgina Maria Travasso Mota - DissertMestrado.pdf>.

AMADOR, M. S. C. Participação do Pai no Processo de Amamentação. 2015. Escola Superior de Enfermagem de Lisboa, 2015. Disponível em: <https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/16480/1/Relatório de Estágio com Relatório de Milene Amador.pdf>.

ANGELO, B. H. de B.; PONTES, C. M.; SETTE, G. C. S.; LEAL, L. P. Conhecimentos, atitudes e práticas das avós relacionados ao aleitamento materno: uma metassíntese. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 28, p. e3214, 2020. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692020000100600&tlng=en>.

ARAÚJO, M. F. M.; DEL FIACO, A.; PIMENTEL, L. S.; SCHMITZ, B. A. S. Custo e economia da prática do aleitamento materno para a família. Revista Brasileira de Saúde Materno-Infantil, v. 4, n. 2, p. 135–141, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-38292004000200003>.

BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Atenção à Saúde do Recém-nascido: guia para os profissionais de saúde. Cuidados geraisBrasília (DF). Ministério da Saúde, 2014. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/atencao_saude_recem_nascido_v1.pdf>.

BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde da criança: aleitamento materno e alimentação complementar. 2. ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde, 2015. 186 p.

BRASIL; MINISTÉRIO DA SAÚDE. Leite Materno: o primeiro contato do bebê com a comida de verdade. Disponível em: <https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-brasil/eu-quero-me-alimentar-melhor/noticias/2021/leite-materno-o-primeiro-contato-do-bebe-com-a-comida-de-verdade>.

CHAUHAN, G.; TADI, P. Physiology, Postpartum ChangesTreasure Island (FL). StatPearls Publishing, 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK555904/>.

DAYAN, N.; SMITH, G.; NEDELCHEV, A.; ABENHAIM, H.; BROWN, R.; DA COSTA, D.; ALI, S.; PERLMAN, J.; NGUYEN, T.-V.; DENNIS, C.-L.; ABDELMAGEED, W.; SEMENIC, S. Study protocol for the sheMATTERS study (iMproving cArdiovascular healTh in new moThERS): a randomized behavioral trial assessing the effect of a self-efficacy enhancing breastfeeding intervention on postpartum blood pressure and breastfeeding continuatio. BMC Pregnancy and Childbirth, v. 23, n. 1, p. 68, 26 jan. 2023. Disponível em: <https://bmcpregnancychildbirth.biomedcentral.com/articles/10.1186/s12884-022-05325-3>.

ERCOLE, F. F.; MELO, L. S. de; ALCOFORADO, C. L. G. C. Revisão integrativa versus revisão sistemática. Reme: Revista Mineira de Enfermagem, v. 18, n. 1, p. 9–12, 2014. Disponível em: <https://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904>. Acesso em: 20 out. 2020.

FERRAZ, L.; OLIVEIRA, P. P.; ANTONIOLLI, M. A.; BENEDETT, A.; BOSSETTI, V.; ALMEIDA, K. Opinião de mulheres sobre a participação do pai no aleitamento materno. Arquivos de Ciências da Saúde da UNIPAR, v. 20, n. 2, p. 95–99, 12 ago. 2016. Disponível em: <http://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/4674>.

FIGUEREDO, S. F. Avaliação da iniciativa do hospital amigo da criança na prática do aleitamento materno exclusivo nos primeiros seis meses de vida em uma maternidade pública da cidade de São Paulo. 2009. Universidade Federal de São Paulo, 2009. Disponível em: <https://repositorio.unifesp.br/xmlui/bitstream/handle/11600/10620/Tese-11908.pdf?sequence=1>.

FREITAS, D. A. K. de; PIRES, T.; WILLGES, B. dos S.; DAUDT, L.; KÄFER, K. D.; MARTINS, F. da S.; NUNES, L. M. Determinants of the interruption of exclusive breastfeeding at the 30th day after birth. Revista Paulista de Pediatria, v. 40, p. e2021096, 2022. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822022000100454&tlng=en>.

GIL, A. C. Como elaborar Projetos de Pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017. 176 p.

KALARIKKAL, S. M.; PFLEGHAAR, J. L. BreastfeedingTreasure Island (FL). StatPearls Publishing, 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK534767/>.

LIMA, L. S.; SOUZA, S. N. D. H. Percepção materna sobre o apoio recebido para a amamentação: o olhar na perspectiva da vulnerabilidade programática. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 34, n. 1, p. 73–90, 11 jul. 2013. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/seminabio/article/view/12595>.

MARTINS, R. M. C.; MONTRONE, A. V. G. O aprendizado entre mulheres da família sobre amamentação e os cuidados com o bebê: contribuições para atuação de profissionais da saúde. Revista de APS, v. 20, n. 1, p. 21–29, 31 jul. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufjf.br/index.php/aps/article/view/15942>.

MATIAS, A. D.; SOARES, B. K. P.; DA SILVA, I. de L.; BARRETO, R. A. R.; SILVA, I. T. S. da; COSTA SOUZA, F. M. de L. TRAUMA MAMILAR EM MULHERES NO PERÍODO LACTACIONAL. Revista Enfermagem Atual In Derme, v. 96, n. 38, p. e-021246, 13 maio 2022. Disponível em: <https://teste.revistaenfermagematual.com/index.php/revista/article/view/1262>.

MEDEIROS, L. S.; COSTA, A. C. M. Período puerperal: a importância da visita domiciliar para enfermeiros da Atenção Primária à Saúde. Revista Rene, v. 17, n. 1, p. 112–119, 2016. Disponível em: <http://periodicos.ufc.br/rene/article/view/2622>.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 14. ed. São Paulo: Hucitec, 2014. 407 p.

MOSTACHIO, P. F.; MAXIMO, S. S. Compreensão do apoio familiar frente ao aleitamento maternoMaringá. Unicesumar, 2020. Disponível em: <https://rdu.unicesumar.edu.br/bitstream/123456789/7392/1/MOSTACHIO%2C PATRICIA FERREIRA.pdf>.

OLIVEIRA, C. S.; IOCCA, F. A.; CARRIJO, M. L. R.; GARCIA, R. A. T. M. Amamentação e as intercorrências que contribuem para o desmame precoce. Revista Gaúcha de Enfermagem, v. 36, n. spe, p. 16–23, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472015000500016&tlng=pt>.

OMS; UNICEF. Como o marketing das fórmulas lácteas influencia nossas decisões sobre alimentação infantilGenebra. World Health Organization, 2022. Disponível em: <https://docs.bvsalud.org/biblioref/2022/06/1370726/download.pdf>.

PERES, J. F.; CARVALHO, A. R. S.; VIERA, C. S.; LINARES, A. M.; CHRISTOFFEL, M. M.; TOSO, B. R. G. de O. Qualidade da relação da gestante com as pessoas próximas e o aleitamento materno. Escola Anna Nery, v. 25, n. 2, p. e20200163, 2021. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452021000200215&tlng=pt>.

PRATES, L. A.; SCHMALFUSS, J. M.; LIPINSKI, J. M. Amamentação: a influência familiar e o papel dos profissionais de saúde. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 4, n. 2, p. 359–367, 2014. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/10631/pdf>.

PRATES, L. A.; SCHMALFUSS, J. M.; LIPINSKI, J. M. Rede de apoio social de puerpério na prática da amamentação. Escola Anna Nery - Revista de Enfermagem, v. 19, n. 2, p. 310–315, 2015. Disponível em: <http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/1414-8145.20150042>.

SAUR, A. M.; DOS SANTOS, M. A. Risk factors associated with stress symptoms during pregnancy and postpartum: integrative literature review. Women & Health, v. 61, n. 7, p. 651–667, 9 ago. 2021. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/03630242.2021.1954132>.

SHAH, R.; SABIR, S.; ALHAWAJ, A. F. Physiology, Breast MilkTreasure Island (FL). StatPearls Publishing, 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK539790/>.

SILVA, B. T.; SANTIAGO, L. B.; LAMONIER, J. A. Apoio paterno ao aleitamento materno: uma revisão integrativa. Revista Paulista de Pediatria, v. 30, n. 1, p. 122–130, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-05822012000100018&lng=pt&tlng=pt>.

SILVA, L.; CRUZ, L.; MACEDO, E.; SILVA, L.; GOMES, M. A influência das avós no aleitamento materno de seus netos: crenças e práticas culturais. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online, v. 5, n. 4, p. 643–651, 1 out. 2013. Disponível em: <http://seer.unirio.br/index.php/cuidadofundamental/article/view/2213/pdf_947>.

UNICEF. Bebés e mães em todo o mundo são vítimas da falta de investimento no aleitamento materno. Disponível em: <https://www.unicef.org/angola/comunicados-de-imprensa/bebes-e-maes-todo-o-mundo-sao-vitimas-da-falta-de-investimento-no>.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Aleitamento materno: Prevalência e práticas de aleitamento materno em crianças brasileiras menores de 2 anos. Disponível em: <https://enani.nutricao.ufrj.br/wp-content/uploads/2021/11/Relatorio-4_ENANI-2019_Aleitamento-Materno.pdf>.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Breastfeeding. Disponível em: <https://www.who.int/news-room/facts-in-pictures/detail/breastfeeding>.

WORLD HEALTH ORGANIZATION; UNITED NATIONS CHILDREN’S FUND. Protecting breastfeeding through further investments and policy actions. In: Global breastfeeding scorecard. Geneva: World Health Organization, 2022. p. 6.

ZANLORENZI, G. B.; WALL, M. L.; ALDRIGHI, J. D.; BENEDET, D. C. F.; SKUPIEN, S. V.; SOUZA, S. R. R. K. Fragilidades e potencialidades do cuidado de enfermagem em aleitamento materno na atenção primária: revisão integrativa. Revista de Enfermagem da UFSM, v. 12, p. e36, 10 ago. 2022. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reufsm/article/view/68253>.

ZUTIN, T. L. M. A posição do homem no processo de amamentação: um ensaio sobre a produção de sentidos. 2012. Universidade de São Paulo, 2012. Disponível em: <https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/83/83131/tde-23082012-104858/publico/TESE.pdf>.

Creative Commons License

This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.